Diretor: 
João Pega
Periodicidade: 
Diária

Quando CR7 brilhou nos relvados da Mealhada


tags: Mealhada, Mealhada, Mealhada, Mealhada, Desporto, Desporto, Mealhada Categorias: Desporto sexta, 30 abril 2021

No final da década de 1990, havia um torneio de futebol juvenil organizado pelo Grupo Desportivo Mealhada, onde eram convidadas algumas das principais equipas nacionais dos escalões jovens, como F. C. Porto, Sporting, Benfica ou Boavista. Os jogos realizavam-se no atual Estádio Dr. Américo Couto e nos campos adjacentes. No final, havia troféus para a equipa vencedora e para o melhor jogador. Numa das edições, em 1998, Manuel Rochinha, à altura dirigente do Mealhada, tirou uma fotografia com o melhor jogador do torneio, um jovem jogador do Sporting. Até aqui, uma história normal, de uma situação normal de acontecer num torneio de futebol juvenil. Mas o jovem que está ao lado de Manuel Rochinha e que se destacou no referido torneio não é, nos dias de hoje, um jogador normal. Trata-se de Cristiano Ronaldo Santos Aveiro, que, 23 anos depois, coleciona cinco Bolas de Ouro, dezenas de títulos individuais e coletivos, é o jogador com mais internacionalizações e mais golos ao serviço da Seleção Nacional, e está a meia dúzia de golos de ser o melhor marcador de sempre da história das seleções nacionais no mundo.

“Já nem me lembrava que tinha esta fotografia. Há pouco tempo é que me recordaram”, destaca Manuel Rochinha, que estava longe de imaginar que o jovem com quem, há 23 anos, tirou a fotografia, iria chegar onde chegou. “Ele na altura foi o melhor jogador do torneio e eu estava encarregue de entregar o prémio. Entreguei, guardei a foto, e estou agora a recordá-la”, brinca. Manuel Rochinha recorda um rapaz muito simples e que deu nas vistas pelo que jogava. “Na altura não se sabia o que ia dar, mas já jogava muito”, lembra. O torneio, que decorria anualmente na Mealhada, juntava algumas das melhores equipas nacionais. Dirigente do clube durante cerca de três décadas, Manuel Rochinha viveu vários desses torneios. “Normalmente decorria no final da temporada, em maio ou junho. Lembro que, para poupar custos, tentávamos que Benfica e Sporting viessem no mesmo autocarro, e que Porto e Boavista também viessem juntos. Mas nesse ano o Sporting não quis que os miúdos viessem no mesmo autocarro que os do Benfica”, aponta.

 

Marcos da carreira de Cristiano Ronaldo. Infografia: Pedro Aguiar

Revelação de talento

Em 1998, Cristiano Ronaldo estava há dois em Lisboa, depois de ter saído da Madeira e do Nacional para ir para o Sporting. Jogava nos iniciados dos leões, numa equipa que tinha Ricardo Quaresma, Miguel Garcia (que jogou no Sporting e no Sp. Braga), Marinho, que atuou vários anos na Académica, e Artur Futre, sobrinho do antigo internacional Paulo Futre. Quatro anos depois, estreou-se na equipa principal do Sporting, pela mão de Laszlo Boloni, e, no primeiro jogo que fez na Liga Portuguesa, marcou dois golos ao Moreirense, no antigo Estádio José Alvalade.

Em 2003, com 18 anos, rumou ao Manchester United depois de ter impressionado Alex Ferguson no jogo de inauguração do Alvalade XXI. Depois de seis anos em Manchester, com uma Liga dos Campeões e uma Bola de Ouro, seguiram-se nove anos no Real Madrid, onde ganhou mais quatro vezes a “Champions” e quatro Bolas de Ouro. Pelo meio, em 2016, sagrou-se campeão europeu de Seleções, com Portugal. Em 2018, rumou a Itália para jogar na Juventus. Tem 173 internacionalizações por Portugal e 103 golos. 23 anos antes de tudo isto, Cristiano Ronaldo brilhou nos campos da Mealhada.

 

INFOGRAFIA: Pedro Aguiar