Diretor: 
João Pega
Periodicidade: 
Diária

António Melo de Carvalho apresenta “Gentes do Planalto” entre amigos


tags: Livro, Livro, Lançamento, Lançamento, Livro, Barcouço Categorias: Cultura Saturday, 16 February 2019

O Salão Paroquial da Igreja de Barcouço foi o ponto de encontro, no passado dia 10 de fevereiro, para as largas dezenas de pessoas que quiseram marcar presença no lançamento do novo livro do escritor barcoucense, António Melo de Carvalho. “Gentes do Planalto” é o título da mais recente obra do autor, na qual se propõe falar da história de Barcouço e da “vida dura” que a população levou nas últimas 10 décadas.

António Melo de Carvalho escolheu o Barcouço, terra que o viu nascer a 18 de agosto de 1940, para apresentar a obra que acaba de dar à estampa. Foi na companhia de vários amigos da sua geração, que cumprimentou de forma personalizada e grata, e de muitos conterrâneos que o escritor barcoucense recordou algumas histórias eternizadas na sua mais recente obra, contando com a ajuda de muitos para comprovar a veracidade do que contava.

“Gentes do Planalto” é “a história da minha terra e da vida dura que se levou nas últimas 10 décadas, nesta região”, disse António Melo de Carvalho ao nosso jornal. O autor esclarece que nas páginas do novo livro conta episódios da vida dura que era imposta às crianças e aos velhos, sublinhando que eram as crianças as mais penalizadas, “as crianças eram as primeiras vítimas, desde o sofrimento físico até o não poderem desfrutar do desenvolvimento de todas as suas capacidades e possibilidades”. António Melo de Carvalho justifica que esta realidade se devia “fundamentalmente às carências que se viviam aqui, nesta aldeia”.

“A história da minha terra e da vida dura que se levou nas últimas 10 décadas, nesta região”, António Melo de Carvalho, escritor

Hoje, o escritor barcoucense entende que a vida dos mais jovens é diferente, “a gente nova tem muitas oportunidades e que não aproveita porque são chamados para tanta coisa, que nem sabem para que lado é o Norte”, razão que António Melo de Carvalho invoca como uma das principais para escrever “Gentes do Planalto”, “pensei que é muito importante para eles saberem das vidas difíceis e tão diferentes daquelas que eles têm hoje”.

Ao longo de três anos, o escritor barcoucense foi colecionando saber e estudo, chegando a “viajar” até à Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra para se munir de “documentos históricos que subjazem a este olhar rápido que lanço sobre estas décadas”. Porém, muito terá ficado por dizer e por isso António Melo de Carvalho garantiu ao nosso jornal que a obra agora lançada terá um segundo volume, que tenciona lançar daqui a cerca de dois ou três anos. “O segundo livro é o desenvolvimento das personagens que já afloraram ao longo das páginas destas “Gentes do Planalto”, afirma o escritor, mas será também no próximo livro que promete “chamar ao presente” as pessoas que não teve oportunidade de referir neste livro. “A parte dois vai completar as lacunas do primeiro livro e vai trazer ao presente a vida dos jovens deste tempo que vivem aqui, na zona do planalto”, assegura António Melo de Carvalho.

“A parte dois vai completar as lacunas do primeiro livro e vai trazer ao presente a vida dos jovens deste tempo que vivem aqui, na zona do planalto”, António Melo de Carvalho

Depois de em 2015 ter lançado o primeiro livro, “Paz e Guerra – Memórias da Guiné”, onde relata a sua vivência e a dos 180 homens que o acompanharam na Guerra da Guiné (1969/1970), e de deixar para a posteridade um relato histórico sobre Barcouço, António Melo de Carvalho revelou ao nosso jornal que a sua paixão pela escrita nasceu quando era criança, com o apoio da sua professora da escola primária. “Facilitou-me, desde que eu comecei a ler, a biblioteca dela. Devorei a biblioteca dela toda e desde então para cá é um crescendo de gosto pelos livros, associado à admiração com que fiquei pelos grandes escritores”, recordou o escritor barcoucense, que diz ter sido a partir daí que pensou “já agora, também posso escrever qualquer coisa!”

Idealizou e cumpriu. António Melo de Carvalho conta a segunda obra publicada, para regozijo daqueles que estiveram presentes no lançamento do mais recente livro. Entre as atuações do Grupo Paroquial da Igreja de Barcouço e do Grupo de Cavaquinhos, o escritor pode ouvir elogios às “Gentes do Planalto”. “Temos de reconhecer a excelência desta obra”, que a “enriquece a ele e às gentes de Barcouço”, declarou Luís Barros, colega de Seminário de António Melo de Carvalho e do Curso de Infantaria. “Li o livro com sofreguidão”, disse, por outro lado, Carlos Padre, residente em Barcouço há cerca de quatro décadas, “acho que uma aldeia que tem um cidadão destes é motivo de regozijo para todos, concluiu. Joaquim Ramos da Silva também deixou um poema, declamado no dia do lançamento do livro, intitulado “Ida ao Passado” e onde o poeta agradece o legado literário do conterrâneo, “Teve o seu livro o condão/de me transportar ao passado/voltei aos tempos que já lá vão/voltei lá mas com agrado”.

Opiniões partilhadas pelo presidente da Junta de Freguesia de Barcouço, João Manuel Duarte, que também esteve presente no lançamento da obra do seu freguês, que reconhece como “uma figura muito importante na nossa freguesia”.

 “Tomara todos os lugares, todas as freguesias terem pessoas para deixar no presente as histórias do passado”, afirma o presidente da Junta de Freguesia de Barcouço, que considera um “privilégio enorme” conhecer as origens de Barcouço por um munícipe.

“Tomara todos os lugares, todas as freguesias terem pessoas para deixar no presente as histórias do passado”, João Manuel Duarte, presidente da Junta de Freguesia de Barcouço

João Manuel Duarte disse ainda ao nosso jornal ter desafiado António Melo de Carvalho “para fazermos mais um livro sobre a história da freguesia. Lancei-lhe esse desafio e espero que ele tenha toda a saúde possível e a capacidade de o fazer em conjunto com a Junta, com as pessoas da terra que possam contribuir e contar as histórias antigas, a história total da freguesia ou, pelo menos, ajudar a perceber as origens da freguesia que muita gente não conhece, mesmo as pessoas de cá”.

Para já, as ”Gentes do Planalto” são o testemunho histórico que o escritor barcoucense tem ao dispor da comunidade. A obra pode ser adquirida através da página de internet de António Melo de Carvalho (http://www.antoniomelodecarvalho.com/comprar.html) ou através do número de telemóvel 917 263 364 ou do endereço de correio eletrónico amelodecarvalho.autor@gmail.com. O preço de venda ao público da obra é de 15 euros e as receitas angariadas revertem a favor da Junta de Freguesia de Barcouço, como forma de “retribuir a ajuda que recebi durante a vida”, revela o escritor.

No passado dia 16 fevereiro foi a vez de o autor apresentar o seu mais recente livro no Núcleo de Coimbra da Liga dos Combatentes e a 28 de fevereiro António Melo de Carvalho estará no Clube Militar de Oficiais de Coimbra para falar sobre as “Gentes do Planalto” e estar com o público numa sessão de autógrafos.

 

Fotografia: António Melo de Carvalho, autor do livro "Gentes do Planalto"